Pesquisa em Comunicação

Pesquisa Quantitativa

Quantas vezes um determinado fenômeno ocorre em uma determinada população.

Publicado em: 26 de fev. de 2015
Atualizado em: 02 de jul. de 2021

A Pesquisa Quantitativa é o método mas comumente utilizado, principalmente nas chamadas ciências naturais. Tem também ampla utilização no campo das ciências sociais, inclusive no Marketing. Seu objetivo é contar quantas vezes um determinado fenômeno ocorre em uma determinada população.

Recorre a métodos estatísticos para calcular a probabilidade de ocorrência de uma determinada variável em uma população pesquisada. Para isso, lança mão de cálculos e escalas que visam estabelecer um grau de confiança para os dados obtidos, declarando margem de erro e nível de confiança dos números obtidos.

As pesquisas estatísticas podem ser de dois tipos:

a) CENSO – ouve todos os indivíduos da população, se aproximando muito da realidade, uma vez que ouvir o que todos pensam diminui a margem de erro.

b) AMOSTRA – ouve um número menor de indivíduos previamente selecionados com o objetivo de generalizar os resultados encontrados nesse pequeno grupo para a população como um todo.

A grande maioria das pesquisas quantitativas é realizada por meio de procedimentos de Amostragem, ou seja, sem ouvir todos os indivíduos, mas apenas alguns. Isso, por um lado, aumenta a margem de erro, pois é sempre pouco preciso generalizar, mas por outro lado diminui os custos e o tempo envolvido em sua realização.

As pesquisas quantitativas, portanto, têm um caráter reducionista. Ou seja, reduzem as possibilidade de resposta a há apenas algumas alternativas e reduzem o número de pessoas ouvidas para que seja economicamente viável. Essa redução proporcionada pela pesquisa qualitativa é sempre alvo de críticas, principalmente nas ciências sociais.

Muito se tem escrito sobre os atributos dos procedimentos analíticos quantitativos e qualitativos. Os procedimentos quantitativos são indispensáveis na maior parte das ciências naturais. Em ciências sociais, os procedimentos quantitativos às vezes são menos valorizados por seu caráter reducionista. Em verdade, todo procedimento, seja qualitativo, seja quantitativo, é em grau maior ou menor reducionista. (EPSTEIN, 2010, p.15)

Referências

AAKER, David A.; KUMAR, V.; DAY, George S.. Pesquisa de Marketing. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2009.

EPSTEIN, Isaac. Ciência, poder e comunicação. In: DUARTE; BARROS. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. 2.ed. São Paulo: Atlas: 2010.

MALHORTA, Naresh K; et al. Introdução à pesquisa de marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

MCDANIEL, Carks; GATES, Roger. Pesquisa de Marketing. São Paulo: Thomson Learning, 2006.

Como citar:
MARI JR. Sergio. Pesquisa Quantitativa. Infonauta, 2015. Disponível em: <https://infonauta.com.br/pesquisa-em-comunicacao/pesquisa-quantitativa>. Acesso em: 05 de ago. de 2021.

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.