Aulas diversas

Semiótica Peirceana - Resumo

As categorias dos fenômenos na Semiótica de Charles Sanders Peirce

Publicado em: 08 de jun. de 2011
Atualizado em: 02 de jul. de 2021

Esse resumo apresenta um quadro esquemático das categorias dos fenômenos na semiótica de Charles Sanders Peirce. O objetivo deste resumo não é explicar tais categorias ou mesmo a semiótica peirceana, mas sim servir como gabarito para algumas análises menos produndas com base nesse metodologia. 

Charles Sanders Peirce

1 Categorias universais dos fenômenos

Primeiridade: Aquilo que é sem referência a nada mais. Qualidade perceptiva ou sensação. Por exemplo, a qualidade absoluta de uma cor, a brancura, a azulidade, sem remeter a uma comparação ou a outros sentimentos. Tal percepção não pode ser pensada, explicada ou afirmada, pois isso a secundarizaria.

Secundidade: Aquilo que é por causa de um outro. Envolve reação, resposta. Um fenômeno que existe provocado por algo. Corresponde a percepção dos fatos, do fato atual. É a constatação da origem ou do motivo de uma sensação.

Terceiridade: Aquilo que é em lugar de um outro. É a representação. Uma coisa representando outra. É o pensamento em signos. Diz respeito à percepção de regras, leis, que regem os fenômenos, permitindo generalizar sua compreensão.

2 Signos

O Signo é qualquer coisa, de qualquer espécie, que representa uma outra coisa. Essa “outra coisa” é chamada de Objeto. Quando posto no lugar do objeto, o signo produz um efeito interpretativo em uma mente real ou potencial, efeito este que é chamado de Interpretante.

3 Relações dos signos com os fenômenos

 

Signo em relação
ao Signo

Signo em relação
ao Objeto

Signo em Relação
ao Interpretante

Primeiridade

Quali-signo

Ícone

Rema

Secundidade

Sin-signo

Índice

Dicente

Terceiridade

Legi-signo

Símbolo

Argumento

3.1 Primeira Tricotomia (signo em relação a si mesmo)

Quali-signo: Qualidade, sensação sem concreta existência. Um exemplo: a percepção das cores.

Sin-signo: Coisa ou evento que existe atualmente. Um exemplo: qualquer objeto ou evento concreto percebido.

Legi-signo: Signo que descreve inúmeros objetos. É um signo sobre o qual há uma concordância ou uma convenção, de ordem generalizante, sobre o que e como ele representa.

3.2 Segunda Tricotomia (signo em relação ao objeto)

Ícone: Representação pela semelhança. Ex.: desenho de uma flor.

Índice: Representação pela indicação, pelo rastro. Ex.: fumaça, indicando a presença de fogo.

Símbolo: Representação convencionada culturalmente, ou hábitos com força de lei. Ex.: Cruz para o Cristianismo.

3.3 Terceira Tricotomia (signo em relação ao interpretante)

Rema: Hipótese de sentido. Signo compreendido, mas sem contexto. Não passível de julgamento, que não é nem falso nem verdadeiro. Ex.: todas as palavras sozinhas, sem relação a qualquer outra, exceto “sim” e “não”.

Dicente: Expressão de idéias passíveis de julgamento. Presente em frases simples e diretas com um sujeito e um predicado, que não envolvem conclusões lógicas. Ex.: (O giz é branco.

Argumento: São definições precisas, leis matemáticas, previsões acertadas. Presente em constatações envolvendo conclusões maduras.

Como citar:
MARI JR. Sergio. Semiótica Peirceana - Resumo. Infonauta, 2011. Disponível em: <https://infonauta.com.br/aulas-diversas/semiotica-peirceana-resumo>. Acesso em: 05 de ago. de 2021.

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.