infoNauta

Apresentação e análise de dados por meio de dashboards

Publicado em:
Por:

Comentários: 0

Dashboard de um carro

Um dos objetivos dos sistemas de informação nas organizações é facilitar a tomada de decisão. Para isso os diversos tipos de sistema que uma empresa adota em sua operação devem ser capazes de coletar e armazenar dados e analisá-los oferecendo aos gestores informações estratégicas.

Para garantir eficiência nessas duas funções (registrar dados e transformá-los em informação), os sistemas costumam ser estruturados em dois tipos de interface: OLTP (OnLine Trasitions Processing), que registra e armazena todas as transações da empresa em forma de dados, e OLAP (OnLine Analytical Processing), que analisa os dados disponíveis tranformando-os em informação estratégica.

Nesta aula vamos nos concentrar especificamente na segunda função, o OLAP, onde os dados são analisados e exibidos na forma de informações que auxiliem os gestores na tomada de decisão.

Os sistemas que realizam essa função são chamados de Sistema de Apoio à Decisão (ou DSS – Decision Support System).

Informações estratégicas

Quando falamos informações estratégicas estamos falando da união de dois conceitos importantes.

Sabemos que informação é o resultado do tratamento de dados. Os dados, por si só, não têm significado e são apenas o registro de algum fato relacionado à operação da empresa. Quando temos condições de cruzar, comparar e analisar esses dados, colocando-os em um determinado contexto ou perspectiva, eles são transformados em informação.

Informações são, portanto, os dados colocados em contexto, carregados de significado. Elas ajudam a perceber tendências e a traçar perspectivas para o futuro.

E, quando falamos das perspectivas para o futuro de uma empresa, estamos falando de estratégia. Sabemos que a responsabilidade por formular as estratégias de uma empresa é do seu mais alto nível hierárquivo, conhecido como nível estratégico ou institucional.

Os DSS ou Sistemas de Apoio à Decisão são, portanto, destinados ao uso dos estrategistas da empresa. Eles não precisam (embora possam) ter acesso detalhado à abundância de dados que são gerados pela operação da empresa. Sua necessidade é melhor atendida pelas informações e não pelos dados. E quanto mais concentradas e de fácil acesso forem essas informações, mais eles irão se beneficiar delas tomando decisões mais inteligentes.

Os Dashboards

Os dashboards são uma resposta natural para essa demanda por informações condensadas e concentradas para a alta administração das empresas.

Eles são paineis, existentes em sistemas de informação, que apresentam de forma visual e de fácil leitura, um grande volume de informações sobre a operação de uma empresa.

A origem essa expressão (dashboard) se dá na indústria automobilística e representa o painel painel de instrumentos de um carro. Os fabricantes de automóveis sempre tiveram o desafio de exibir muitas informações em pouco espaço e os paineis dos carros se desenvolveram nesse sentido.

Painel automóvel

Basta um olhar do motorista, muitas vezes por poucos segundos, para o painel do carro, para que ele absorva um grande volume de informações sobre o veículo. Em um único e breve olhar é possível saber a que velocidade com que está se movimentando, quantos giros por segundo o motor está dando, quanto combustível há no tanque, se a temperatura e a pressão do óleo estão normais, se as luzes estão ligadas... E muito mais.

Para tornar a assimilação de todas essas informações quase que instantânea, a indústria automobilística desenvolveu recursos visuais, como luzes em cores diferentes e ponteiros em certas posições que são facilmente lidos pelo motorista.

A ideia dos dashboards em sistemas de informações empresariais é entregar esse mesmo benefício a seus estrategistas. Ou seja, que eles possam com um breve olhar absorver uma grande quantidade de informações sobre a operação da empresa e serem mais assertivos em suas decisões.

Recursos visuais dos dashboards

A montagem de um dashboard envolve a escolha dos recursos visuais que serão utilizados para representar as informações que se deseja monitorar.

Os recursos mais comuns são os gráficos convencionais, de linhas, colunas, barras e pizza. Mas também é possível escolher recurso inovadores como gráficos de dispersão e de bolha, balas ou bullets, castiçais ou velas, e velocímetros.

Os dashboards também podem conter indicadores numéricos simples, rótulos de texto, mapas, fotografias... Enfim, qualquer recurso capaz de apresentar informações.

Vejamos as características de alguns desses recursos.

Gráfico de colunas, barras e linhas

São utilizados quando se deseja comparar duas séries de dados diferentes. Por exemplo, o volume de vendas (série 1) ao longo do tempo (série 2). Também é possível exibir categorias diferentes de dados para uma das séries, mostrando, por exemplo, o volume de venda de vários produtos diferentes ao longo do tempo.

Os exemplos abaixo apresentam essa relação (vendas ao longo do tempo), na forma de um gráfico de colunas (à esquerda) e de um gráfico de linhas (à direita).

Gráficos de colunas e linhas

Há uma variação do gráfico de colunas utilizada quando uma das séries de dados é muito longa. Por exemplo, quando há muitos produtos diferentes ou quando o intervalo de tempo é muito longo. Em casos como esse a exibição horizontal pode não oferecer espaço suficiente, sendo preferida a exibição vertical do gráfico. E então, ao invés de colunas, passaremos a ter barras horizontais e o gráfico passa a ser chamado de gráfico de barras.

Gráfico de barras

Veja que nos três exemplo acima é possível perceber rapidamente tendências de crescimento ou diminuição nas séries de dados apresentadas.

Gráfico de pizza

São gráficos circulares que são úteis para se apresentar a relação de um determinado dado com o todo do qual faz parte. Por exemplo, qual fatia (parte) dos meus consumidores (todo) é representada por homens e qual fatia é representada por mulheres? Quanto as vendas do mês de março (parte) representaram sobre as vendas do ano (todo).

Gráficos de pizza

Perceba que no exemplo acima fica claro qual a maior fatia do gráfico, ou seja, qual é o dado mais significativo no conjunto analisado.

Gráficos de dispersão e de bolha

São utilizados para se analisar o comportamento de um conjunto de dados em função da variação outro conjunto de dados. O objetivo é identificar se a variação de um dados implica na variação do dado correspondente em outro conjunto.

Gráfico de dispersão

No exemplo acima o gráfico de dispersão permite perceber que a variação da renda bruta mensal é acompanhada da diminuição da porcentagem da renda que é gasta com saúde. É possível traçar uma linha reta acompanhando aproximadamente os pontos do gráfico, estabelecendo-se uma tendência.

Há uma variação desse gráfico em que, além da relação de um dado com outro, apresenta a imporância de cada dado isolado. Para isso, o tamanho de cada ponto no gráfico varia de acordo com amplitude do dado que representa. Esse tipo de gráfico é conhecido como gráfico de bolhas. Veja um exemplo:

gráfico de bolhas

Balas ou bullets

É um tipo de gráfico criado especificamente para dashboards. Permite a exibição de várias inforamções em pouco espaço.

Ele é composto por uma barra de fundo, dividida em corres ou tonalidades diferentes. Cada cor ou tonalidade indica um nível qualitativo para o dado apresentado. Por exemplo, a primeira cor ou tonalidade pode representar que o desempenho é ruim, a segunda que é satisfatório e a terceira que o desempenho é bom.

Por cima dessa barra com as regiões destacadas, corre uma linha que representa o valor atual desse dado. Também é possível que o gráfico tenha uma marca indicando a meta estabelecida para essa variável. Veja esses elementos na imagem abaixo.

Bullet ou bala

Os bullets ou balas podem ainda serem colocados em um gráfico de colunas ou de barras, oferendo um volume ainda maior de informações ao gestor. Veja um exemplo abaixo.

Bullets ou balas em um gráfico de colunas.

Velas ou castiçais

As velas, castiçais, candles ou candlesticks são um tipo de gráfico útil para representar a variação de um dado em um único dia, semana ou mês. Eles apresentam, em um único elemento gráfico, o valor desse dado no inícío e no fim do período e apresentam também o maior e o menor valor alcançado durante o período.

Por convenção, quando ele é representado sem uma cor de preenchimento ou com preenchimento branco, verde ou azul, significa que o valor do dado no final do período foi maior do que o seu valor no início do período. Nesse caso ele é chamado de candle de alta.

Quando ele é apresentado com preenchimento preto ou vermelho, significa que o valor do dado no final do período foi menor do que o seu valor no início do período. Nesse caso ele é chamado de candle de baixa.

Candlestick

Os candles ou velas em sequência são muito utilizados para a análise dos preços de ações. Com um único candle é possível ver qual era o preço da ação na abertura e no fechamando do mercado e qual foi o preço máximo e o preço mínimo atingido ao longo do pregão. Conforme o tamanho ou amplitude de cada parte do gráfico os especialistas podem perceber com certa facilidade as tendências de alta ou de baixa no preço desse ativo.

Gráfico de Candles

Velocímetros

São gráficos criados especificamente para dashboard. São úteis para representar dados que apresentam forte variação e que possuam faixas de limite.

Por exemplo, quando um determinado dado não pode ficar abaixo de um determinado valor. Nesse caso, apresentá-lo na forma de um velocímetro dará ao estrategista a informação precisa do quão perto ou distante ele está desse limite crítico. Veja alguns exemplos:

velocímetros

Tudo em uma única tela

A ideia de um dashboard é reunir em uma única tela o maior número de informações possível, usando para isso a melhor combinação desses elementos visuais.

Veja alguns exemplos de dashboard. Perceba a combinação de diferentes tipos de gráficos. Quais tipos de gráfico você consegue identificar em cada exemplo?

Exemplo 1:

Exemplo Dashboard 1

Nesse exemplo há indicadores numéricos simples, gráfico de colunas, gráfico de linhas e gráfico de pizza.

Exemplo 2:

Exemplo de dashboard 2

Nesse exemplo há indicadores numéricos simples, gráfico de linhas, gráfico de colunas, velocímetros e gráfico em bullet ou bala.

Exemplo 3:

Exemplo dashboard 3

Nesse exemplo há indicadores numéricos simples, gráfico de linhas, bullets ou balas, gráfico de pizza e velocímetro.


Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Faça seu comentário

Repita os caracteres no campo abaixo:



Conheça o LeadLovers

Aumente as vendas do seu negócio físico ou online com automação de marketing digital

EXPERIMENTE AGORA


adobe agência de propaganda ambiente de marketing ambiente externo ambiente interno artigo científico balanced scorecard banco central bitmap bsc cabernet sauvignon cedilha comunicação digital cibercultura ciência competitividade comportamento do consumidor composto de marketing concorrência cultura da internet custo demanda desejo diferenciação eleições email marketing endomarketing erp estratégia facebook forças competitivas futebol gestão do conhecimento gestão estratégica google html illustrator imagens digitais indesign inovação instagram inteligência coletiva inteligência de marketing interatividade internet jornalismo linkedin livrista lucro macroambiente marca mark-up marketing marketing de conteúdo marketing digital memes merlot metodologia michael porter microambiente moeda comemorativa motivação mídia mídia digital mídias digitais mídias sociais necessidade numismática objetivos olimpiadas 2016 orkut pesquisa pesquisa qualitativa pesquisa quantitativa photoshop php pierre levy planejamento planejamento estratégico preço produto programação promoção propaganda propagação viral publicidade real redes sociais relações públicas relevância reputação rio 2016 sem seo sistemas de informação sites de busca twitter valor vinho virtual walter longo web youtube