infoNauta

Crawler Detect

Inscreva-se:

Planejamento, pensamento e gestão estratégica

Publicado em: 31/07/2017
Atualizado em em: 31/07/2017

Por: Sergio Mari Jr.

Comentários: 0

O conceito de estratégia é bastante complexo, a ponto de, dependendo do contexto, ter significados ligeiramente diferentes. O objetivo desta aula é fazer a distinção entre Planejamento, Pensamento e Gestão da estratégia.

Planejamento Estratégico

Costumamos compreender a ideia de planejamento estratégico como um esforço para se prever o futuro e tomar decisões. Contudo, a ideia de planejamento está muito mais ligada aos esforços de formalização do que da própria concepção ou criação das estratégias.

Planejamento é um procedimento formal para produzir um resultado articulado, na forma de um sistema integrado de decisões. (MINTZBERG; et al, 2004)

Dessa forma, o planejamento estratégico adquire o status de uma metodologia gerencial, um de um modo de trabalho do estrategista para conseguir colocar suas ideias em prática.

É uma técnica administrativa que procura ordenar as ideias das pessoas, de forma que se possa criar uma visão do caminho que se deve seguir (estratégia). Depois de ordenar as ideias, são ordenadas as ações, que é a implementação do plano estratégico, para que, sem desperdício de esforços, caminhe na direção pretendida. (ALMEIDA, 2001)

Pensamento Estratégico

O pensamento estratégico, por sua vez, se revela na pessoalidade do estrategista. Diz respeito ao esforço e às capacidades individuais de quem formula as estratégias.

É a postura do executivo voltada para a otimização interativa da empresa com o ambiente em tempo real. (OLIVEIRA, 1999)

Como as pessoas são diferentes, o pensamento estratégico também acontece em níveis diferentes, de acordo com as competências individuais, variando de acordo com o arrojo, a ousadia, a capacidade de assumir riscos, visão de mundo e, até mesmo, questões emocionais de cada estrategista.

Porém o pensamento estratégico sempre será fruto de uma combinação de dois fatores: um bom conhecimento sobre a situação atual e um olhar idealizador para o futuro.

Quando o estrategista privilegia as questões a respeito da situação ATUAL, dizemos que ele está praticando uma análise ESTÁTICA e quando ele privilegia o olhar para o futuro dizemos que ele está praticando uma análise DINÂMICA.

A relação entre essas duas variáveis gera quatro níveis de pensamento estratégico, sendo que é necessário concluir primeiro os primeiros níveis (na parte de baixo da tabela) para depois partir para os níveis superiores (parte de cima da tabela):

Análise dinâmica

4: Criação do futuro

Estratégia = fazer o futuro acontecer.

3: Adequação ao ambiente

Estratégia = reagir às mudanças externas.

Análise estática

2: Adequação ao futuro

Estratégia = prever o futuro e preparar-se para ele.

1: Adequação ao planejamento financeiro

Estratégia = adequar-se aos recursos atuais.

Na primeira fase, a preocupação do estrategista se limita a adequar a atuação da empresa aos recursos existentes atualmente. Não costumamos pensar que isso é estratégia, mas “não gastar mais do que se ganha” já é estratégico. Essa costuma ser a principal dificuldade de muitas empresas e também da vida pessoal de muitos de nós. Sem cumprir esse pré-requisito mas nem uma atitude estratégica pode ser tomada e a empresa fica impedida de inovar ou de assumir novos riscos.

Estando seguro sobre sua adequação ao orçamento, o estrategista pode então, na segunda fase, pensar em utilizar esses recurso de uma maneira diferente da atual. Aqui ele já começa a prever o futuro e passa a destinar mais recursos para as áreas que poderão contribuir mais para seus objetivos.

Na terceira fase, o pensamento estratégico entra em sua etapa dinâmica. Isso significa que ele deixa de se preocupar unicamente com os recursos já existentes e passa também a contar com os fatores vindos do ambiente externo. O estrategista passa a se preocupar em reagir às mudanças externas, buscando aproveitar as oportunidades e evitar possíveis ameaças.

Por fim, a quarta fase é aquela em que o pensamento estratégico encontra sua mais ampla possibilidade, a de criação de um novo futuro. Em uma combinação de ousadia, capacidade de assumir riscos e também de muita responsabilidade e conhecimento do ambiente, o estrategista pode criar soluções como produtos e serviços capazes de criar novos mercados, novos hábitos, e assim se valer de um novo futuro.

Gestão ou Administração Estratégica

A GESTÃO ou ADMINISTRAÇÃO estratégica, por sua vez, é a estratégia posta em prática. A estratégia nasce do pensamento e da individualidade do estrategista, se materializa ao ser formalizada no planejamento estratégico e é acompanhada para que as respostas às mudanças no ambiente sejam dadas em tempo real.

É uma administração do futuro que, de forma estruturada, sistêmica e intuitiva, consolida um conjunto de princípios, normas e funções para alavancar harmoniosamente o processo de planejamento da situação futura desejada da empresa como um todo e seu posterior controle perante os fatores ambientais, bem como a organização e direção dos recursos empresariais de forma otimizada com a realidade ambiental, com a maximização das relações interpessoais. (OLIVEIRA, 1999)

O esforço de gestão estratégica também diz respeito à seleção ou a uma espécie de filtro que se deve fazer entre todas as propostas estratégicas que surgem para um determinado negócio.

É considerada como o processo de escolha e implementação das estratégias (BULGACOV et al, 2007)

Praticamente existem três maneiras diferentes de se criar e selecionar novas estratégicas. Essas maneiras são conhecidas como Escolas ou Paradigmas da Administração Estratégica. Basicamente a organização, devido à sua cultura e à sua história, acaba por vivenciar uma dessas escolas na prática.

ESCOLA RACIONAL

Metáfora: Máquina

Codifica separadamente pensamento e ação. A hipótese tácita subjacente é que existe uma solução melhor, e que a tarefa do estrategista é chegar o mais próximo dela. Depois de decidido o caminho trata-se da questão de ação. (HEIJDEN, K.V.D., 2005)

ESCOLA EVOLUCIONÁRIA

Metáfora: Ecologia

Enfatiza a natureza complexa do comportamento organizacional, além dos limites do pensamento racional. Estratégia é uma perspectiva sobre o comportamento emergente, pela qual uma estratégia vitoriosa somente pode ser articulada em retrospecto. Nesse contexto, a evolução refere-se aos fenômenos das propriedades emergentes de sistemas que possuem uma memória discriminatória e transmissível de estratégias bem-sucedidas. A estratégia nessa escola é um processo de experimentação ao acaso e filtragem daquilo que é mal sucedido. (HEIJDEN, K.V.D., 2005)

ESCOLA PROCESSUAL

Metáfora: Organismo Vivo

Interação de ação com pensamento. Adota uma posição intermediária: embora não seja possível definir estratégias somente através de um processo de pensamento racional, os gestores podem criar processos em organizações que irão torná-las mais flexíveis, adaptáveis, e capazes de aprender com seus erros. (HEIJDEN, K.V.D., 2005)

Referências

ALMEIDA, M.I.R. Manual de Planejamento Estratégico. São Paulo: Atlas, 2001.

BULGACOV, S.; SOUZA, Q.R.; PROHMANN, J.I.P.; COSER, C.; BARANIUK, J. Administração Estratégica: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2007.

HEIDJEN, K.V.D. Planejamento de Cenários: a arte da conversação estratégica. Porto Alegre: Bookman, 2004.

MINTZBERG, H. Ascenção e Queda do Planejamento Estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2004.

OLIVEIRA, D.P.R. Excelência na Administração Estratégica: a competitividade para administrar o futuro das empresas. 4.ed. São Paulo: Atlas, 1999.


Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Faça seu comentário

Repita os caracteres no campo abaixo:



adobe agência de propaganda artigo científico banco central bitmap cabernet sauvignon cedilha comunicação digital comportamento do consumidor composto de marketing concorrência cultura da internet custo demanda desejo desnatamento diferenciação email marketing endomarketing estratégia facebook forças competitivas gestão estratégica google html illustrator imagens digitais indesign inovação instagram inteligência coletiva internet jornalismo linkedin livrista lucro macroambiente marca mark-up marketing marketing de conteúdo marketing digital merlot michael porter microambiente moeda comemorativa motivação mídia mídia digital mídias sociais necessidade numismática olimpiadas 2016 orkut photoshop php planejamento planejamento estratégico preço produto programação promoção propaganda propagação viral publicidade real redes sociais relações públicas relevância reputação rio 2016 seo skimming twitter valor vinho walter longo youtube