infoNauta

Crawler Detect

5 padrões para inovar com o uso de dados

Publicado em:
Por:

Comentários: 0

Big Data

Nesta metodologia proposta por Rashik Parman (presidente da Academia da Tecnologia da IBM), Ian Mackenzie (Harvard Business School), David Cohn (pesquisador do Centro de Pesquisas Thomas J. Watson, da IBM) e David Gann (vice-presidente de desenvolvimento e inovação do Imperial College de Londres), o objetivo é gerar proposas de inovação a partir da gestão de dados.

Todas as organizações, em alguma medida, lidam com alguma quantidade de dados. Esses dados são gerados por suas atividades cotidianas e pode ser tornar uma ótima fonte de inovação e geração de valor. Com isso os autores desta proposta recomendam 5 possibilidades, que eles chamaram de 5 padrões, para o uso desses dados para a geração de novos negócios para a organização. A identificação das oportunidades de inovação a partir de dados é feita por meio de questões que devem ser respondidas pelos gestores.

Introdução

Antes de questionar-se sobre os padrões, é necessário responder algumas questões preliminares que ajudarão a compreender o modo como a organização lida com seus dados. Essas questões são:

  • De que dados dispomos?
  • Que dados podem ser acessados que não estamos capturando?
  • Que dados poderíamos criar a partir de nossos produtos e operações?
  • Que dados úteis para nós os outros podem oferecer?
  • Que dados outros dispõem que poderiam ser usados numa iniciativa conjunta?

As questões parecem simples, mas para respondê-las, na maioria dos casos, é preciso refletir muito.

As próximas questões dizem respeito diretamente a cada um dos padrões propostos para a metodologia.

Padrão 1 - Ampliandos produtos para gerar dados

Nesta primeira abordagem estratégica sobre os dados da organização deve-se pensar a respeito dos dados que ela já dispõe ou que poderia passar a dispor a partir da operação que ela já dispõe. A ideia é implementar mecanismos para que a própria comercialização e o uso dos produtos já oferecidos pela empresa gerem dados que possam ser usados para a inovação.

As perguntas que devem ser feitas para se identificar essas oportunidades são:

  • Que dados relacionam-se com nossos produtos e seu uso?
  • Que dados estamos guardando e quais podemos começar a guardar?
  • Que insights poderíamos desenvolver a partir dos dados?
  • Como esses insights poderão fornecer novos valores para nós, nossos clientes, fornecedores, concorrentes ou empresários de outra indústria?

Padrão 2 - Digitalização de ativos

A tecnologia têm permitido que cada vez mais coisas sejam convertidas para o formato digital. Sempre que algo passa a ser digitalizado, novos modelos de negócio e excelentes oportunidades de gerão de valor são geradas. Os autores lembram, por exemplo, como a digitalização da música, livros e vídeos mudou a indústria do entretenimento e recomendam que se busquem caminhos para se conseguir o mesmo ampliando-se as fronteiras do que pode ser digitalizado.

O gerenciamento da digitalização em si já poderia ser um novo negócio. Muitas indústrias precisam de uma forma segura para armazenar seu capital digital a longo prazo.

As perguntas que devem ser feitas para se identificar essas oportunidades são:

  • Quais de nossos ativos são exclusivamente ou fundamentalmente digitais?
  • Como podemos usar sua natureza digital para melhorar ou aumentar seu valor?
  • Dispomos de bens físicos que podem ser transformados em bens digitais?

Padrão 3 - Combinar dados com e através de indústrias

Aqui o objetivo é encontrar formar criativas de utilização de dados de industrias diferentes em um mesmo contexto.

A ciência de grandes dados, juntamente com novos padrões de TI criados para melhorar a integração de dados, permite coordenar informações entre indústrias ou setores de novas formas.

Iniciativas que mesclam dados de empresas privadas com dados do setor público para gerar negócios que melhoram a vida das pessoas são um bom exemplo deste padrão de inovação.

As perguntas que devem ser feitas para se identificar essas oportunidades são:

  • Como nossos dados podem ser combinados com dados de outros para criar novo valor?
  • Poderíamos agir como um catalisador na criação de valor, integrando dados pertencentes a outros empresários?
  • Quem se beneficiaria com essa integração e que modelo de negócios a tornaria atraente para nós e nossos colaboradores?

Padrão 4 - Comercialização de Dados

Gerando os próprios dados ou os combinando com dados de outros setores, a organização passa a deter um novo ativo, que pode representar valor para novos grupos de consumidores. Esses dados podem então serem comercializados em algum formato estratégico, como um novo negócio ou um novo produto.

As perguntas que devem ser feitas para se identificar essas oportunidades são:

  • Como nossos daods poderiam ser estruturados e analisados para produzir informação de valor mais alto?
  • Esses dados têm valor para nós internamente, para nossos atuais clientes, para potenciais novos clientes, ou para outra indústria?

Padrão 5 - Codificar diferentes capacidades de serviços

Tendo dominado os procedimentos com dados, a organização desenvolve um know-how nesta área que pode ser aproveitado para a geração de novas oportunidades.

No momento, empresas dispõe de uma forma prática de retomar os processos que tinham aperfeiçoado, de padronizá-los e vendê-los a terceiros. Qualquer processo que domine perfeitamente - mas que não seja fundamental para a vandagem competitiva da companhia - pode vir a ser um negócio lucrativo.

As perguntas que devem ser feitas para se identificar essas oportunidades são:

  • Dispomos de alguma capacidade diferenciada que poderíamos valorizar?
  • Como padronizar essa capacidade para que ela possa ser plenamente útil?
  • Podemos distribuir essa capacidade como um serviço digital?
  • Quem em nossa indústria ou em outras a consideram atraente?
  • Como a concentração, gerenciamento e análise de dados ajudariam a desenvolver capacidades que pudéssemos codificar?

Combinando Padrões

Por fim, os autores chamam a atenção para a possibilidade de combinar dois ou mais dos cinco padrões em um mesmo processo de inovação.

Os cinco padrões são uma forma útil de estrutura uma conversa sobre ideias em novos negócios (...), mas iniciativas reais geralmente englobam dois ou três desses padrões.

Referência

PARMAR, Rashik; MACKENZIE, Ian; COHN, David; GANN, David. Novos padrões da inovação: como usar dados para promover o crescimento. Harvard Business Review, São Paulo, V.92, N.1, p.58-67, jan. 2014


Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Faça seu comentário

Repita os caracteres no campo abaixo:



Conheça o LeadLovers

Aumente as vendas do seu negócio físico ou online com automação de marketing digital

EXPERIMENTE AGORA


adobe agência de propaganda ambiente de marketing ambiente externo ambiente interno artigo científico balanced scorecard banco central bitmap bsc cabernet sauvignon cedilha comunicação digital cibercultura comportamento do consumidor composto de marketing concorrência cultura da internet custo demanda desejo diferenciação eleições email marketing endomarketing estratégia facebook forças competitivas futebol gestão estratégica google html illustrator imagens digitais indesign inovação instagram inteligência coletiva interatividade internet jornalismo linkedin livrista lucro macroambiente marca mark-up marketing marketing de conteúdo marketing digital memes merlot michael porter microambiente moeda comemorativa motivação mídia mídia digital mídias digitais mídias sociais necessidade numismática objetivos olimpiadas 2016 orkut photoshop php pierre levy planejamento planejamento estratégico preço produto programação promoção propaganda propagação viral publicidade real redes sociais relações públicas relevância reputação rio 2016 sem seo sites de busca twitter valor vinho virtual walter longo web youtube