infoNauta

Crawler Detect

Inscreva-se:

Implicações do Preço sobre a Demanda

Publicado em:
Por:

Comentários: 0

O preço é a variável do marketing mais flexível e a mais fácil e rápida de se alterar. Enquanto promover mudanças no produto, na distribuição ou na promoção demandam tempo para seu planejamento e execução, mas mudanças de preço podem se dar quase que instantaneamente a partir da decisão do gestor de marketing.

Por isso os preços são a primeira coisa a mudar quando alguma coisa não vai bem na estratégia de marketing. Ou seja, sempre que houver a necessidade de ajustar a demanda aos objetivos da empresa, a mudança de preço será a primeira tentativa.

Nesse sentido é fundamental que o gestor de marketing saiba qual é o comportamento dos consumidores do seu produto diante das mudanças de preço.

A economia de mercado possui efeito direto no número de produtos que podem ser vendidos a um preço em especial. Quantas garrafas de chá gelado (...) espera vender a US$0,99? E quantas a US$1,29 ou a US$1,99? (NICKELS; WOOD, 1999, p. 228)

Curva de Demanda

Essa dinâmica de quantos produtos se espera vender em cada faixa de preço possível pode ser descrita na forma de um gráfico, no que chamamos de curva de demanda.

Inicialmente pode-se pensar que a tendência é que a demanda aumente a medida em que os preços se tornam mais baixos, desenhando a seguinte dinâmica:

Curva de Demanda Linear

Nesse exemplo a demanda é linear e o volume de vendas diminui na medida em que o preço aumenta.

Note que quanto o produto o preço era R$35 eram vendidas 1 milhão de unidade, quando o preço era R$20 eram vendidas 3 milhões de unidade e quando o preço caiu para R$10 eram vendidas 5 milhões de unidades.

Porém alguns produtos em determinadas situações podem se comportar de maneira diferente, aumentando sua demanda quando os preços são elevados a certos níveis, desenhando uma dinâmica diferente como apresentado abaixo:

Curva de Demanda não Linear

Nesse exemplo a curva de demanda deixa de ser linear e passa a ter um comportamento atípico. Esse tipo de situação é comumente encontrada, por exemplo, em produtos de luxo, que precisam de preços mais altos para serem caracterizados como tal.

Note que neste caso quando o produto era vendido por R$5 a demanda era de pouco mais de 2 milhões de unidade e a maior demanda foi encontrada com o preço em torno de R$25, com 4 milhões de unidades vendidas.

Elasticidade da Demanda

Outra característica que pode ser apreendida da curva de demanda é a sua elasticidade.

Diz-se que a demanda é elástica quando alguma alteração no preço do produto vai aumentar ou diminuir em proporção maior a quantidade de venda do produto. Nesse caso, um aumento do preço diminui a quantidade, e uma redução no preço do produto aumenta a quantidade vendida, e as percentuais dessas diferenças são maiores que os percentuais de alteração do preço. A demanda é inelástica quando aumento ou redução do preço do produto não afeta significativamente as quantidades vendidas (LAS CASAS, 1997, p.198)

Veja como o desenho da curva de demanda é diferente nos dois casos:

Elasticidade da demanda

No primeiro caso, onde a demanda é inelástica, grandes alterações de preços fazem a quantidade vendida variar pouco. Já no segundo caso, onde a demanda é elástica, pequenas mudanças de preços fazem a quantidade vendida variar muito.

Como o passar do tempo e com acesso a dados a respeito da variação do preço e da demanda, o gestor de marketing pode calcular um indicador para a elasticidade da demanda por seus produtos, e com isso conseguir estimar os efeitos de futuras alterações de preços.

A fórmula para o cálculo desse indicador é a seguinte:

Equação da elasticidade da demanda

Onde:

e = indicador da elasticidade da demanda

ΔQ / Q = percentual de mudança na quantidade de demanda

ΔP / P = percentual de mudança no preço.

Referências

LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Marketing: conceitos, exercícios, casos. 4.ed. São Paulo: Atlas, 1997.

NICKELS, William G.; WOOD, Marian Burk. Marketing: relacionamentos, qualidade, valor. Rio de Janeiro: LTC, 1999.


Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Faça seu comentário

Repita os caracteres no campo abaixo:



adobe agência de propaganda ambiente de marketing ambiente externo ambiente interno artigo científico balanced scorecard banco central bitmap bsc cabernet sauvignon cedilha comunicação digital cibercultura comportamento do consumidor composto de marketing concorrência cultura da internet custo demanda desejo diferenciação eleições email marketing endomarketing estratégia facebook forças competitivas gestão estratégica google html illustrator imagens digitais indesign inovação instagram inteligência coletiva internet jornalismo linkedin livrista lucro macroambiente marca mark-up marketing marketing de conteúdo marketing digital memes merlot michael porter microambiente moeda comemorativa motivação mídia mídia digital mídias digitais mídias sociais necessidade numismática objetivos olimpiadas 2016 orkut photoshop php pierre levy planejamento planejamento estratégico preço produto programação promoção propaganda propagação viral publicidade real redes sociais relações públicas relevância reputação rio 2016 sem seo sites de busca twitter valor vinho virtual walter longo youtube