infoNauta

Crawler Detect

Inscreva-se:

Ferramentas do Endomarketing

Publicado em:
Por:

Categoria: Endomarketing
Comentários: 0

Motivação

Como instrumentos do processo de motivação Bekin (2004) enumera:

  1. Chamamento a parcerias, à cooperação e à lealdade;
  2. Valorização do indivíduo dentre de seu grupo;
  3. Integração baseada nos valores e objetivos da empresa;
  4. Reforço contínuo de uma atitude baseada em valores compartilhados;
  5. Recompensas e prêmios dirigidos ao grupo para que todos se beneficiem dos resultados positivos;
  6. Criação de um ambiente de interação dentro da empresa
  7. Envolvimento dos funcionários no planejamento e na tomada de decisões;
  8. Estímulo à iniciativa e à atitude criativa;
  9. Delegação de poderes de acordo com a natureza da função exercida;
  10. Remuneração adequada.

ALERTA: Alguns fatores frequentemente utilizados pelas organizações para motivação, na verdade, não possuem capacidade para isso. Frederick Hertzberg realizou uma pesquisa para avaliar a influência de fatores sobre a motivação e constatou que existem dois grupo de fatores de influência, que ele chamou de fatores higiênicos ou de manutenção e fatores motivacionais ou de satisfação.

Os fatores higiênicos são incapazes de motivar, mas são capazes de impedir a motivação, isto é, eles têm de estar devidamente equacionados para que a pessoa não se desmotive.

Os fatores motivacionais, por sua vez, são aqueles que realmente causam a motivação nos indivíduos.

Fatores Higiênicos:

Fatores motivacionais:

O psicólogo americano Abraham H. Maslow elaborou uma escala hierárquica de necessidades humanas, sugerindo que o indivíduo poderia passar de nível, à medida que fosse satisfazendo cada grupo de necessidades. Dependendo do nível de satisfação de necessidades em que um indivíduo encontra-se, seu nível de motivação também aumenta.

FISIOLOGIA: Necessidade de satisfação biológica, como respiração, alimentação, hidratação, sono.

SEGURANÇA: Tendo saciado suas necessidades fisiológicas, o indivíduo apresenta necessidades relacionadas ao sentimento de estabilidade e manutenção. Envolve a segurança do próprio corpo, dos próprios bens, mas também da manutenção de sua situação atual, como amizades e emprego.

AMOR/RELACIONAMENTO: Seguindo a escala, após satisfazer as necessidades anteriores, o indivíduo começa a apresentar suas necessidades afetivas, envolvendo vida em família, amizades...

ESTIMA: Na sequência o indivíduo passa a esperar do mundo o reconhecimento daquilo que ele realiza e passa a sentir a necessidade de respeito, confiança, prestígio etc.

REALIZAÇÃO PESSOAL: Por fim, tendo saciado as demais necessidades mais urgentes, o indivíduo volta-se novamente para si mesmo, buscando estabelecer uma relação equilibrada com si mesmo. Aqui ele começa a se interessar por suas próprias competências e se esforça para ser um ser humano melhor.

Treinamentos

Oferta de conhecimento adicional que é feita ao empregado, com a finalidade de auxiliá-lo no desempenho de sua tarefa e trazê-lo o mais próximo possível do que o cargo exige.

Devem desenrolar-se de modo a, de um lado suprir necessidades técnicas e, operacionais e de outro a reforçar valores humanos.

Liderança

Lideranças são inevitáveis em qualquer grupamento social, inclusive nas empresas. É fundamental que a organização compreenda este processo e não lute contra as lideranças, mas, ao contrário, colabore e estimule o surgimento desta postura.

Liderança é diferente de chefia. Nem todos os ocupantes de cargos de chefia são líderes e nem todos os lideres ocupam cargos de chefia.

Líder é o abrasileiramento do vocábulo inglês “leader”, que tem origem celta e quer dizer “pessoa que vai à frente para guiar ou mostrar o caminho, ou que precede ou dirige qualquer ação, opinião ou movimento”.

A consequência da liderança é o destaque. O líder destaca-se do grupo. O líder aparece!

Saber conviver com esta situação de evidência sem se deixar tomar por vaidades e prepotências é fundamental.

Sabendo que a liderança é um fenômeno inevitável e que o líder corre o risco de deixar-se levar pela vaidade e pelos jogos de pode, o papel do Endomarketing é preparar e conduzir as lideranças, valorizando-as e cerceando-as nos momentos necessários.

Para isso deve-se conhecer os tipos de liderança, buscando compreender suas tendências de comportamento, seus limites e suas possibilidades:

Liderança Carismática (sobrenatural)

Exemplos: Padre Cícero, Antonio Conselheiro, Chico Xavier;

“Ele tem estrela!”

“Não sei por que, mas gosto dele!”

“Por ele faria qualquer coisa!”

Liderança Reformista (revolução)

Exemplos: Sócrates, Jesus, Karl Marx;

O líder reformista é o “homem do não”, que não está de acordo, que se rebela.

Ganha a confiança das pessoas descontentes com alguma situação e, por representar uma possível solução para o problema consegue convencê-las a agir de acordo com suas recomendações.

Liderança Determinista/Executiva (organização)

Exemplos: Executivos e os administradores públicos bem intencionados;

A liderança executiva nasce da fascinação que nos causa o organizador. Admiramos quem põe ordem no caos. É o tipo de liderança mais relacionado à competência e eficácia.

Liderança Coerciva (violência/medo)

Exemplos: Ditadores (Hittler, Hugo Chaves), “coronéis” nordestinos;

A liderança coerciva caracteriza-se pela conformidade sem consentimento. O indivíduo curva-se sem outra alternativa diante da ameaça de castigo ou retaliação.

Veículos de Comunicação Interna

É improvável que a empresa consiga desenvolver alguma ação de Endomarketing sem canais de comunicação apropriados para isso. Neste sentido os house organs desempenham papel fundamenta para o sucesso deste tipo de procedimento gerencial.

Veículo de Comunicação Interna é um conceito amplo, que engloba uma série de possibilidades, indo desde os jornais empresariais mais artesanais, até circulares eletrônicas e intranets.

O fato é que o público internos é bombardeado diariamente por informações dos mais diferentes tipos. Formais ou não. A favor ou contra sua situação atual. Assim, o Veículo de Comunicação Interna tem como papel se somar a esta miscelânea de fontes.

Seu papel é ser a fonte de informação mais confiável sobre a empresa. Isso reduz o poder dos boatos.

Gestão do conhecimento

O acesso à informação é um fator motivacional. Quanto tem acesso à geração e à consulta do know-how da organização o colaborador sente-se responsável, reconhecido e percebe uma certa valorização.

Endomarketing implica em inserir cada colaborador no Circuito do Conhecimento da organização.

Este Circuito do Conhecimento envolve todos os processos internos para a obtenção de dados, e sua conseguinte transformação em informação em conhecimento.

Conhecimento é gerado por pessoas. O conhecimento inicialmente está nas pessoas.

Enquanto está apenas para o indivíduo, o conhecimento tem caráter Tácito ou Implícito. Neste caso, embora seja útil para o indivíduo, o Conhecimento Tácito ainda não está à disposição da organização e este indivíduo não participa do Circuito do Conhecimento.

Assim, a empresa precisa criar as condições para transformar o Conhecimento Tácito em Conhecimento Explícito, que é o conhecimento compartilhado, tornado público. Ao compartilhar seus conhecimentos ou participar de processos que gerem novos conhecimentos o colaborador se sente valorizado e se motiva.

As Intranets são, portanto, um poderoso recurso de Endomarketing, pois aliam características de Veículo de Comunicação Interna e de sistema de Gestão do Conhecimento. Mantêm os colaboradores informados sobre as questões da organização ao mesmo tempo em que os insere nos Circuito do Conhecimento.

Referência

BASTA, Darci; et. al. Fundamentos de Marketing. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

BEKIN, Saul Faingaus. Endomarketing: Como praticá-lo com sucesso. São Paulo: Pearson, 2004.

KOTLER, Philip. Administração de Marketing. São Paulo: Atlas, 2000.


Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Faça seu comentário

Repita os caracteres no campo abaixo:



adobe agência de propaganda ambiente de marketing ambiente externo ambiente interno artigo científico balanced scorecard banco central bitmap bsc cabernet sauvignon cedilha comunicação digital cibercultura comportamento do consumidor composto de marketing concorrência cultura da internet custo demanda desejo diferenciação eleições email marketing endomarketing estratégia facebook forças competitivas gestão estratégica google html illustrator imagens digitais indesign inovação instagram inteligência coletiva internet jornalismo linkedin livrista lucro macroambiente marca mark-up marketing marketing de conteúdo marketing digital memes merlot michael porter microambiente moeda comemorativa motivação mídia mídia digital mídias digitais mídias sociais necessidade numismática objetivos olimpiadas 2016 orkut photoshop php pierre levy planejamento planejamento estratégico preço produto programação promoção propaganda propagação viral publicidade real redes sociais relações públicas relevância reputação rio 2016 sem seo sites de busca twitter valor vinho virtual walter longo youtube