infoNauta

Computadores pessoais: história sem fim

Publicado em: 16/8/2011
Atualizado em em: 24/02/2015

Por: Sergio Mari Jr.

Categoria: Diário de Bordo
Comentários: 0

Publicado originalmente no ehPARANÁ em 16/08/2011 às 13h43

Estamos vivendo um momento interessante na história da informática. Não sabemos muito bem para onde estamos indo, pois com a popularização dos tabletssmartphones e da cloud computing muitos estudiosos estão afirmando que a era dos computadores pessoais de mesa está chegando ao seu fim. Ainda me parece muito cedo para afirmar qualquer coisa nesse sentido, mas o curioso é que se efetivamente uma Era está chegando ao fim, isso está acontecendo sem que nem mesmo o conflito mais elementar de sua origem fosse resolvido: qual foi o primeiro computador pessoal e quem foi que o inventou?

Até meados da década de 1970 a indústria da informática, dominada pela gigante americana IBM, era totalmente orientada para os computadores de grande porte, os mainframes, que exigiam uma infraestrutura com cerca de um quilômetro quadrado de espaço, com climatização e mais uma série de precauções para que pudessem funcionar. Esses computadores facilmente checavam a custar perto de U$ 10 milhões e somente podiam ser encontrados em grandes empresas e nas universidades.

Tal modelo somente começou a se enfraquecer quando surgiram microprocessadores, que conseguiam grande capacidade operacional em um pequeno espaço. Assim o computador diminuiu de tamanho, se tornou pessoal e passou a ser encontrado também em pequenas empresas e nas casas das pessoas.

Na última sexta-feira, 12 de agosto de 2011, foi comemorado os 30 anos do lançamento – em 1981 – do IBM 5150 que, na visão de muitos, é o primeiro computador pessoal a ser lançado do mundo. Porém alguns outros ilustres personagens podem reivindicar essa primazia. Fora da IBM, pelo menos outros dois grupos chegaram ao advento do computador de pequeno porte na mesma época.

Um desses grupos tinha como protagonistas o universitário Bill Gates e o programador Paul Allen. Por volta de 1975 a revista Popular Eletrônics encartou em suas edições as peças e um kit de montagem para o Altair 8800, baseado na segunda geração de microprocessadores da Intel. Bill e Paul se apressaram então para escrever uma versão da linguagem de programação Basic para o Altair. Pouco tempo depois desse esforço e dessa parceria os dois fundaram a Microsoft. Esse foi o primeiro microcomputador pessoal?

Paralelamente outra dupla de jovens, Steve Jobs e Steve Wozniak, também teve papel importante no início da microinformática. Wozniak havia criado um computador de pessoal e decidiu apresentar seu projeto para a empresa na qual trabalhava, a HP. O projeto foi rejeitado e abriu as portas para que Jobs e Wozniak fundassem a Apple. As duas primeiras versões de seus computadores, o Apple I e o Apple II, já eram comercializadas no final da década de 1970. Terão sido esses os primiros PCs?

IBM, Intel, Microsoft, Apple? Quem criou o primeiro computador pessoal? Por enquanto parece que a resposta será engavetada pela história. Se não quisermos correr o risco de que isso se repita, precisamos começar desde já a fazer outra pergunta: quem criou o primeiro tablet?


Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Faça seu comentário

Repita os caracteres no campo abaixo:




adobe agência de propaganda ambiente de marketing ambiente externo ambiente interno balanced scorecard bitmap branding bsc cibercultura ciência competitividade comportamento do consumidor composto de marketing comunicação concorrência custo demanda desejo diferenciação email marketing endomarketing erp estratégia facebook forças competitivas gestão do conhecimento gestão estratégica google html illustrator imagens digitais indesign inovação instagram inteligência coletiva inteligência de marketing internet jornalismo linkedin lucro macroambiente marca mark-up marketing marketing de conteúdo marketing digital metodologia michael porter microambiente motivação necessidade objetivos pesquisa pesquisa qualitativa pesquisa quantitativa photoshop php pierre levy planejamento planejamento estratégico posicionamento preço produto programação promoção propaganda propagação viral publicidade redes sociais relações públicas relevância reputação sem seo sistemas de informação sites de busca twitter valor virtual youtube