infoNauta

Missão: entender a missão da Petrobrás

Publicado em:
Por:

Categoria: Diário de Bordo
Comentários: 0

Como leciono a disciplina de Planejamento e Gestão Estratégica para o curso de Publicidade e Propaganda, tenho acompanhado há algum tempo o modo como algumas empresas expressivas lidam com seu Planejamento Estratégico, especialmente aquela parte que deve ser pública e transparente, que normalmente contém a declaração da missão, da visão, dos valores e outros enunciados importantes para que possamos conhecer um pouco sobre a identidade uma organização. Uma dessas empresas que optei por acompanhar tem sido a Petrobrás. Isso vem desde que me convenceram a colocar parte do meu Fundo de Garantia em ações da petroleira. Nesse período, a estatal vinha mantendo certa estabilidade em seu Planejamento Estratégico e poucas mudanças ocorreram em sua missão e visão, até que, em 2007, foi descoberto o petróleo do-pré sal e algumas alterações começaram a aparecer. Estou escrevendo aqui com pouquíssimo conhecimento de causa, uma vez que tudo o que sei é o que vejo no site oficial da companhia e no noticiário em geral. Mas mesmo assim é possível aprender algumas coisas importantes sobre o Planejamento Estratégico observando as mudanças feitas pela Petrobrás em sua missão e visão nos últimos anos.

Missão da Petrobrás

A Missão de uma empresa deve representar claramente sua razão de ser. Deve responder a perguntas do tipo: Quem somos? Para que existimos? O que e como fazemos? Dede por volta de 2005 até 2013 a Petrobrás declarava sua missão da seguinte forma:

Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nos mercados nacional e internacional, fornecendo produtos e serviços adequados às necessidades dos clientes e contribuindo para o desenvolvimento do Brasil e dos países onde atua.

Quando eu apresentava essa missão aos meus alunos costumava omitir de qual empresa era e pedia para que eles tentassem adivinhar. Perceba que é impossível. Nada no texto faz referência ao mercado ou ao negócio da estatal. O ponto forte desta missão é que ela contém recados claros para os principais públicos da companhia. Ela diz aos acionistas que atua de forma segura e rentável; diz aos preocupados com a sustentabilidade que tem responsabilidade social e ambiental; e diz ao governo que contribui para o desenvolvimento do Brasil. O ponto fraco fica justamente por conta da ausência de referência ao core business da empresa, não fazendo qualquer referência ao mercado em que ela atua. Creio que para corrigir esse problema, o texto foi alterado recentemente e hoje (2016) está publicado da seguinte forma no site da companhia:

Atuar na indústria de petróleo e gás de forma ética, segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, fornecendo produtos adequados às necessidades dos clientes e contribuindo para o desenvolvimento do Brasil e dos países onde atuamos.

Perceba que pouca coisa mudou na essência. Apenas foi incluído no começo do texto a menção ao mercado da companhia: indústria de petróleo e gás e no seu modo de atuação foi inserida a palavra ética.

Visão da Petrobrás

É no texto da Visão que as alterações do planejamento estratégico da Petrobrás são mais reveladoras, na minha opinião. O texto não mudou, mas o modo como ele é apresentado nos proporciona uma boa oportunidade de aprendizado. A Visão de uma empresa deve ser uma espécie de desafio ou objetivo de longo prazo. Deve responder a perguntas do tipo: Para onde estamos indo? Onde e como queremos estar no futuro? Praticamente desde que o petróleo do pré-sal foi descoberto em 2007, a empresa adota o mesmo texto em sua Visão:

Ser uma das cinco maiores empresas integradas de energia do mundo e a preferida pelos nossos públicos de interesse.

Sabemos que a Visão deve refletir a realidade do ambiente e das condições de mercado enfrentadas pela empresa e deve ser flexível o suficiente para dar conta das mudanças que sempre acontecem no macro ambiente. Quando esse texto foi proposto pela primeira vez, a Petrobrás era a oitava maior empresa de energia do mundo e a perspectiva de aumento na produção com o pré-sal permitia perfeitamente se pensar em levá-la até a quinta posição. Então o site dizia: "Visão 2012". Ou seja, a empresa pretendia alcançar a quinta posição até o ano de 2012.

Porém, uma variável do macro ambiente de origem legal impediu que isso fosse possível. O Congresso e o Governo (Federal e Estaduais) demoraram para estabelecer um acordo sobre qual deveria ser o modelo de exploração do petróleo do pré-sal e como deveria ser a partilha do dinheiro que ele geraria entre os Estados e Municípios. Assim que percebeu essa dificuldade, a Petrobrás não mudou o texto de sua Visão, mantendo-o exatamente como acima, mas fez uma mudança sutil, que no site apareceu da seguinte forma: "Visão 2020". Ou seja, em 2012 ela passou a acreditar que, com o atraso na legislação, somente em 2020 seria possível alcançar a quinta posição entre as maiores empresas de energia do mundo.

Chegando ao final de 2013 a empresa percebeu que o cenário mudou novamente e que não será possível alcançar a quinta posição em 2020. Entre 2010 e 2013 a empresa perdeu 50% de seu valor de mercado e caiu da 12ª para a 120ª posição entre as maiores empresas do mundo. Para dar conta dessa nova realidade, mais uma vez a empresa manteve o texto de sua Visão exatamente como apresentado acima, porém fazendo mais uma mudança na data. Atualmente essa é a "Nossa Visão 2030".

Missão e Visão da Petrobras
Fonte: Site da Petrobras. Acesso em: 04 de abril de 2016.

Minha opinião é que, na prática, lançar um objetivo para tão longo prazo (2030?) significa que a companhia tem poucas certezas de que conseguirá alcança-lo e está esperando que sua situação política se estabilize para reavaliar sua visão. Continuarei acompanhando.


Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Faça seu comentário

Repita os caracteres no campo abaixo:



Conheça o LeadLovers

Aumente as vendas do seu negócio físico ou online com automação de marketing digital

EXPERIMENTE AGORA


adobe agência de propaganda ambiente de marketing ambiente externo ambiente interno artigo científico balanced scorecard banco central bitmap bsc cabernet sauvignon cedilha comunicação digital cibercultura ciência competitividade comportamento do consumidor composto de marketing concorrência cultura da internet custo demanda desejo diferenciação eleições email marketing endomarketing estratégia facebook forças competitivas futebol gestão do conhecimento gestão estratégica google html illustrator imagens digitais indesign inovação instagram inteligência coletiva interatividade internet jornalismo linkedin livrista lucro macroambiente marca mark-up marketing marketing de conteúdo marketing digital memes merlot metodologia michael porter microambiente moeda comemorativa motivação mídia mídia digital mídias digitais mídias sociais necessidade numismática objetivos olimpiadas 2016 orkut pesquisa pesquisa qualitativa pesquisa quantitativa photoshop php pierre levy planejamento planejamento estratégico preço produto programação promoção propaganda propagação viral publicidade real redes sociais relações públicas relevância reputação rio 2016 sem seo sites de busca twitter valor vinho virtual walter longo web youtube