infoNauta

Balanced Scorecard - BSC

Publicado em: 09/02/2016
Atualizado em em: 09/02/2016

Por: Sergio Mari Jr.

Comentários: 0

O Balanced Scorecard, ou simplesmente BSC, que pode ser traduzido como Balanceadores de Desempenho, é um sistema de mensuração de desempenho proposto por Robert Kaplan e David Norton, professores da Harward Business School, em 1992. É uma metodologia de gestão que pretende medir de forma objetiva os resultados alcançados ou não a partir do Planejamento Estratégico de uma organização.

Segundo os autores, da mesma forma que piloto de avião precisa de muitas informações, como altitude, umidade do ar, velocidade, inclinação, pressão, e muitas outras, para conduzir a aeronave com segurança, o gestor de uma empresa também precisa de informações objetivas e mensuráveis para conduzir seus negócios.

O BSC consistem em definir pontos de medição objetiva juntamente com cada estratégia formulada para a empresa.

Para ilustrar, imagine que uma empresa defina como estratégia aumentar suas vendas num determinado período. Juntamente com essa estratégia ela deve determinar os indicadores que irá utilizar para monitorar essa estratégia, como por exemplo, o número de vendas, valor do ticket médio, margem de contribuição de cada produto, vendar por região, vendas por vendedor  etc.

Ao monitorar esses indicadores o gestor consegue saber se a estratégia está ou não sendo cumprida pela organização.

O Caminho da Estratégia aos Resultados

A BSC entende que há um caminho a ser percorrido pela organização entre a formulação da sua estratégia, que está enunciada em sua missão, visão e valores, até os resultados que virão a partir delas.

Seus autores desenharam, então, uma pirâmide que demonstra alguns dos elementos, bem como a relação de continuidade que existe entre eles, desde a formulação da missão da companhia, até os resultados que ela obtém.

Com essa pirâmide fica claro que a conquista de resultados a partir de uma estratégia parte da missão, passa pela visão, pelos valores, pelos objetivos estratégicos, pelos indicadores gerais de desempenho ligados a cada objetivo e pelos indicadores individuais de desempenho:

Pirâmida da BSC

Perceba que toda ação estratégica da empresa tem como objetivo gerar resultados, na forma de Acionistas satisfeitos, Clientes encantados, Processos eficientes e eficazes e Colaboradores motivados e preparados.

Perspectivas da BSC

Esses quatro atores apontados acima, acionistas, clientes, processos e colaboradores, se tornam, então, o foco da BSC, que aponta quatro perspectivas de ou pontos de vista para a geração e monitoramento dos resultados.

Perspectivas da BSC

A visão e a estratégia, que são aspectos centrais da organização, devem ser capazes de gerar resultados Financeiros, melhorias nos Processos Internos, Aprendizado e Crescimento para os colaboradores e encantamento do Cliente.

O quadro a seguir apresenta iniciativas estratégicas que a empresa pode adotar para conquistar os resultados em cada perspectiva:
 

Perspectiva Financeira Perspectiva de Clientes Perspectiva de Processos Internos Perspectiva de Aprendizagem e Crescimento
  • Crescimento e mix de receita
  • Novos produtos, serviços, clientes e mercados
  • Novas relações de vendas e estratégia de preços
  • Relação custo/melhoria de produtividade
  • Produtividade da receita por funcionário
  • Redução de custos e despesas operacionais
  • Ciclo e giro de caixa
  • Melhoria da utilização dos ativos
  • Medidas da administração de riscos
  • Lucro e valor agregado por empregado
  • Participação de mercado
  • Número de clientes
  • Clientes por empregado
  • Captação de clientes
  • Retenção de clientes
  • Clientes perdidos
  • Satisfação e lealdade
  • Imagem da marca
  • Lucro por cliente ou por segmento
  • Porcentual de vendas gerado por novos produtos
  • Lançamento de novos produtos versus lançamentos da concorrência
  • Inovação no processo de gestão
  • Tempo de desenvolvimento de novos produtos
  • Entrega eficiente de produtos
  • Serviços pós-venda
  • Operações internas
  • Gerenciamento da marca
  • Qualidade de produção
  • Satisfação, retenção e produtividade dos funcionários
  • Reciclagem da força de trabalho
  • Capacidade dos sistemas de informação
  • Motivação
  • Empowerment e alinhamento
  • Sugestões apresentadas e implementadas
  • Medidas de alinhamento individual e organizacional
  • Medidas do desempenho da equipe

Fonte: Disponível em: <http://www.blogdaqualidade.com.br/o-que-e-balanced-scorecard-bsc/>. Acesso em: 1 de fevereiro de 2016.

Na mesma linha, a tabela abaixo apresenta objetivos estratégicos que a empresa pode adotar para dar conta de cada uma das perspectivas do BSC:

Perspectiva Objetivos de negócio
Perspectiva Financeira
  • Prover um retorno de investimento adequado para os negócios.
  • Gerenciar os riscos de negócios.
  • Aprimorar governança corporativa e transparência.
Perspectiva de Cliente
  • Aprimorar orientação para clientes e serviços.
  • Oferecer produtos e serviços competitivos.
  • Estabelecer a continuidade e disponibilidade de serviços.
  • Criar agilidade em responder a requerimentos de negócios que mudam continuamente.
  • Atingir otimização dos custos para entrega de serviços.
  • Obter informações confiáveis e úteis para o processo de decisões estratégicas.
Perspectiva de Processos Internos
  • Aprimorar e manter a funcionalidade dos processos de negócios.
  • Reduzir custos de processos.
  • Conformidade com leis externas, regulamentos e contratos.
  • Conformidade com políticas internas.
  • Gerenciar mudanças de negócios.
  • Aprimorar e manter a operação e produtividade do pessoal.
Perspectiva de Aprendizado e Crescimento
  • Gerenciar a inovação de produtos e negócios.
  • Contratar e manter pessoas habilitadas e motivadas.

Fonte: Cobit 4.1 Apêndice 1. Disponível em <http://www.tjdft.jus.br/institucional/controle-interno/boas-praticas/cobit/at_download/file>. Acesso em: 1 de fevereiro de 2016.

Vale ressaltar que há uma interdependência entre as quatro perspectivas da BSC.

Para atingir as metas financeiras (perspectiva financeira), dependo dos clientes comprarem os produtos (perspectiva de clientes). Para eles comprarem os produtos, os produtos precisam ser bons e para meus produtos serem bons, meus a empresa precisa ser eficiente (perspectiva de processos internos). Para que minha empresa seja eficiente, as pessoas que atuam nela precisam ser capacitadas (perspectiva de aprendizagem e crescimento).

Implementação da BSC

A implementação do BCS deve ser feita após a definição da estratégia global da empresa, que fica evidente em sua missão, visão e valores.

Tendo definida essa estratégia global, a empresa pode seguir as seguintes etapas:

Etapa 1 - Arquitetura do programa de medição

O grande objetivo desta etapa é promover uma compreensão e uma análise crítica dos direcionadores de negócio e da visão de futuro. Um segundo objetivo é resgatar as diretrizes estratégicas, analisando sua coerência com os direcionadores de negócio e visão de futuro.

Etapa 2 - Inter-relacionamento de objetivos estratégicos

As atividades desta etapa implicam alocar os objetivos estratégicos nas quatro dimensões do BSC, correlacionando-as entre si. Nesse processo poderão ou não surgir lacunas no inter-relacionamento, que deverão ser eliminadas ou preenchidas a partir de novas discussões e análises do planejamento estratégico da organização.

Etapa 3 - Escolha e elaboração dos indicadores

O objetivo essencial da seleção de indicadores específicos para o BSC é a identificação dos indicadores que melhor comuniquem o significado da estratégia que foi estabelecida.

Etapa 4 - Elaboração do plano de implementação

Uma vez definidos os indicadores associados aos diferentes objetivos estratégicos, definem-se metas, planos de ação e responsáveis, a fim de direcionar a implementação da estratégia.

Referências

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. Organização orientada para a estratégia: como as empresas que adotam o balanced scorecard prosperam no novo ambiente de negócios. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. Kaplan e Norton na Prática. 5.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004

Moedas Comemorativas Brasileiras de Circulação Comum

Publicado em: 07/02/2015
Atualizado em em: 05/02/2016

Por: Sergio Mari Jr.

Categoria: Numismática
Comentários: 0

Moedas do Brasil

A Numismática é a ciência ou área do conhecimento que estuda as moedas, medalhas e vales. Seu estudo indiretamente permite conhecer a histórica econômica, política e cultural de um povo. Há uma tradição na numismática que é a confecção de moedas comemorativas, que aproveitam a magia do dinheiro para fazer memória ou render homenagens a uma pessoa ou a um fato importante.

Há dois tipos de moedas comemorativas:

  1. Moedas comemorativas para colecionadores: normalmente cunhadas em metais mais nobres como Ouro e Prata, com valor de face diferente daqueles que existem em grande circulação, como, por exemplo, moedas com valor 2, 3, 4 ou 20 Reais, que são valores de face que não existem na moeda corrente. São moedas típicas de colecionadores, vendidas pelo Banco Central. Relação de Moedas Comemorativas para Colecionadores
  2. Moedas comemorativas de circulação comum: são quase idênticas às moedas de circulação comuns, mas normalmente em um de seus lados fazem referência a alguma data comemorativa. Essas moedas são feitas do mesmo metal das moedas correntes e ao contrário das moedas para colecionadores - que são vendidas - são postas em circulação normalmente.

O objetivo desta seção é identificar TODAS as moedas comemorativas de circulação corrente que já foram cunhadas e que circularam no Brasil. Uma tarefa bastante árdua que para ser concluída demanda conhecer vários aspectos da história do Brasil e da Economia de cada época. Portanto, a listagem abaixo está incompleta. A cada descoberta da uma nova moeda comemorativa ela será atualizada até que todas estejam ai. Vou procurar também desenvolver um post sobre cada série de moeda comemorativa de circulação comum, e nesses posts destacar com (!) aquelas moedas que possuo em minha coleção. Caso você possua alguma das outras, estou interessado!

LISTA DAS SÉRIES DE MOEDAS COMEMORATIVAS DE CIRCULAÇÃO COMUM DO BRASIL

Série Moedas Situação da coleção
Peça da Coroação - 1822 0 de 1 impossível
4º Centenário do Descobrimento - 1500-1900 0 de 5 praticamente impossível
1º Centenário da Independência - 1822-1922 2 de 6 parcial
4º Centenário da Colonização do Brasil - 1532-1932 - Série Vicentina 4 de 6 parcial
Brasileiros Ilustres Série Centenários de Nascimento - 1839-1939 3 de 3 completa
Série Vargas (Réis) - 1938-1942 12 de 12 completa
Sesquicentenário da Independência - 1822-1972 1 de 1 completa
Centenário da Abolição - 1888-1988 3 de 3 completa
Centenário da República - 1889-1989 1 de 1 completa
2º Centenário da morte de Tiradentes - 1792-1992 1 de 1 completa
Cinquentenário da Declaração Universal dos Direitos Humanos - 1948-1998 1 de 1 completa
Centenário de Juscelino Kubitschek - 1902-2002 1 de 1 completa
40 anos do Banco Central do Brasil - 1965-2005 1 de 1  completa
Entrega da Bandeira Olímpica (Londres 2012-Rio 2016) 1 de 1  completa
Esportes Olímpicos e Paralímpicos (Rio 2016) 8 de 16 parcial
50 anos do Banco Central do Brasil 1 de 1 completa
TOTAL 40 de 60 66,7% completa

tsu.co

News Letter

Gostaria de tê-lo em minha rede de contatos para envio de informações e conteúdos relevantes sobre os temas abordados neste blog. Caso tenha interesse por favor cadastre seu e-mail:

Vídeos

BITCOIN #02 Criando uma carteira Bitcoin

mais vídeos

Conteúdos de aulas

Twitter

adobe agência de propaganda banco central bitcoin cabernet sauvignon cedilha comunicação digital concorrência cotação custo câmbio demanda desejo digital dólar economia endomarketing estratégia facebook forças competitivas illustrator imagens digitais indesign jornalismo lucro mark-up marketing michael porter moeda moeda comemorativa motivação necessidade numismática olimpiadas 2016 orkut photoshop preço promoção publicidade real redes sociais rio 2016 twitter valor vinho walter longo youtube